Com o avanço e a frutificação do trabalho missionário na Argentina, o Senhor despertou o desejo pela evangelização dos povos no coração da igreja pernambucana. 

Dessa forma a IEADPE, sob a presidência do Pr. José Leôncio da Silva, nas décadas de 80 e 90, iniciou um grande trabalho de divulgação e promoção da Obra Missionária através da SEMADEPE, Secretaria de Missões das Assembleias de Deus no Estado de Pernambuco. Isso levou a igreja a interceder e a devotar-se pelos povos não alcançados.

 

ÁFRICA DO SUL

JOANESBURGO: No ano de 1995, a Convenção das Assembleias de Deus no Estado de Pernambuco, CONADEPE, enviou para a cidade de Joanesburgo, na República da África do Sul, o Missionário Amaro Gomes com a sua esposa, a missionária irmã Elza Tavares. Um ano antes, em 1994 ocorreu o fim do Apartheid, regime político de segregação racial prevalecente na África do Sul. O primeiro casal de missionários enviados à África do Sul, pela IEADPE, desenvolveu um trabalho pioneiro na comunidade portuguesa existente na cidade de Joanesburgo, agregando aos cultos os moçambicanos e angolanos que eram, até então, discriminados pela sociedade sul-africana.

A República da África do Sul é um país de 11 idiomas oficiais. Portanto, encontrar pessoas da língua portuguesa não era uma tarefa fácil; mas ao evangelizar com a irmã Elza, o Pr. Amaro Gomes olhava para os jardins das casas, se ele encontrasse couve-flor plantada, ele sabia que podia chamar pelo dono da casa, pois se tratava de pessoas de fala portuguesa. Assim se deu o início do trabalho missionário da IEADPE naquela nação. No início, os cultos aconteciam na sala de sua própria residência. Contudo, no ano de 1997, com o crescimento do trabalho, a CONADEPE adquiriu o primeiro Templo da Missão na África do Sul. Outros missionários labutaram naquela nação dando a sua preciosa parcela de contribuição e hoje, substituindo o Pr. João Marcos Fernandes, que atuou como missionário acompanhado de sua esposa, a missionária Valdívia e filhas nesse trabalho, se encontra o missionário Roberval de Oliveira e esposa, a missionária Edivânia.

 

Templo Sede em Joanesburgo

 

Culto no Templo Sede em Joanesburgo

 

Culto Infantil no Templo Sede de Joanesburgo

 

Culto no Templo Sede em Joanesburgo

 

HAMBA EVANGUELE: Em meados de 1998, o Missionário Paulo Pereira e esposa, missionária Marta Alves, assumindo interinamente o Campo de Missões na África do Sul, ampliou a tenda da missão expandindo-a até Tokosa, 35 km de Joanesburgo. Ali foi estabelecido um trabalho exclusivo para os moçambicanos imigrantes que residiam na África do Sul. Essa congregação é conhecida como “Hamba Evanguele”, dialeto changana oriundo de Moçambique que quer dizer: “Avante Evangelho”. Hoje esse trabalho se encontra aos cuidados do Ev. Alberto Moreira, esse que é português, radicado na África do Sul a mais de 40 anos. Ele aceitou a Jesus nos dias em que o Pr. Amaro Gomes atuava como missionário, e hoje o Ev. Alberto Moreira é fruto do trabalho desenvolvido por essa igreja e é ministro da CONADEPE, Convenção das Assembleias de Deus em Pernambuco.

 

VANDERBIJLPARK: No ano de 2004, a Convenção das Assembleias de Deus em Pernambuco, já havia ganhado notoriedade e respeito da comunidade portuguesa existente na África do Sul. Por isso, a CONADEPE recebeu o convite da Igreja Portuguesa, na cidade de VanderbjilPark, cidade que fica a 75 km de distância de Joanesburgo, para prestar assistência espiritual aos seus membros daquela comunidade. Assim, o pastor presidente, Pr. Ailton José Alves, enviou os Missionários Paulo Soares, esposa, missionária Anabel Soares e filhos para atuarem naquele trabalho. Esses estiveram em VanderbijlPark por quase 10 anos dando estrutura doutrinária e formação eclesiástica à Igreja. Ali foram iniciados trabalhos semelhantes aos desenvolvidos pela igreja mãe em Pernambuco. Atualmente aquele trabalho está aos cuidados do missionário Edson Ferreira, que se encontra fazendo missões com a sua esposa, a missionária Vânia e filhos.

 

KENNEDY STREET: O Pr. Cândido de Freitas no tempo em que foi missionário em Joanesburgo iniciou um culto para a comunidade inglesa, no prédio anexo ao templo sede. Por alguns anos havia cultos em português e inglês no templo sede. Muitas vezes o culto era traduzido para acomodar os dois grupos de irmãos. Porém, no ano de 2005, o Pr. Hélio Ribeiro que na época era missionário naquela nação, sob da orientação do Pastor Presidente, Pr. Ailton José Alves, alugou um templo que pudesse atender exclusivamente a comunidade de expressão inglesa. Para esse fim, a CONADEPE enviou no mesmo ano, o missionário Shóstenes Pereira, a esposa, missionária Macilene Pereira e filho. Esses estiveram cooperando na Obra Missionária de expressão inglesa durante o período de 7 anos. Ali foram agregados irmãos de quase 14 nações, além dos sul-africanos de diversas tribos. Hoje esse trabalho se encontra aos cuidados do missionário Emanuel França, ladeado por sua esposa, missionária Ana Lídia e filhos.

 

MOÇAMBIQUE

 Logo após o bem-sucedido início do trabalho missionário na República da África do Sul, sob a direção do Pr. José Leôncio da Silva, o missionário Paulo Pereira que se fez acompanhar da sua esposa, a missionária Marta Pereira e filhos, foram enviados em Março de 1996 à província de Nampula, que tem como capital o mesmo nome, localizada no norte da República de Moçambique, para dar início ao trabalho missionário naquela nação.

O início daquele trabalho não foi fácil, pois o país tinha saído de uma traumática e longa guerra civil, no ano de 1992. Após 04 anos, ou seja, em 1996 ainda havia muitos resquícios de guerra naquele lugar: várias instalações estavam abandonadas, o serviço de água e de energia eram precários e o povo vivia amedrontado, esperando a qualquer momento outra insurreição civil. Naquela época se via patrulhamento com armas de fogo em todos os lugares. No entanto, o SENHOR confirmou a orientação dada ao pastor presidente José Leôncio da Silva, salvando, curando, batizando com Espírito Santo e fazendo a sua igreja moçambicana crescer. Muitos obreiros começaram a surgir, as congregações foram sendo estabelecidas e o SENHOR deu àquela igreja presbíteros, diáconos e auxiliares. À medida que o trabalho avançava, outros cultos foram também sendo estabelecidos, conforme o modelo da igreja mãe em Pernambuco, e assim dirigentes para os grupos de louvor, de Círculo de oração, de Escola Bíblica Dominical com seus professores foram surgindo.

Ao longo dos anos, a CONADEPE sob a presidência do Pr. Ailton José Alves, enviou vários missionários que cooperaram com as suas respectivas famílias naquele país. Cada um deles contribuiu maciçamente para o crescimento da Obra Missionária, em especial na área da formação de obreiros e de novas lideranças para que a igreja fosse sendo estruturada a cada dia. Além disso, os missionários continuaram avançando para o interior da província de Nampula, fazendo com que congregações fossem sendo estabelecidas e hoje há congregações que distam 180 km do templo sede. Atualmente a missão em Moçambique conta com 40 congregações espalhadas naquela província. Além do culto na língua portuguesa, que é a língua oficial da nação, a igreja cultua também no dialeto Macua, majoritariamente falado pelos nativos que residem nas aldeias. Na capital, onde fala-se português, há cultos sendo realizados no dialeto Suaíli (língua falada por um grande grupo de povos do continente africano) e em inglês para alcançar os estrangeiros que residem em Nampula. Muitos católicos, feiticeiros e muçulmanos têm se convertido ao Senhor ao longo desses 22 anos de missões em terras moçambicanas.

O missionário Gerson Gila e sua esposa Vera Gila, já atuaram na cidade de Nampula como missionários nos anos de 2004 a 2009, acompanhado de os seus filhos. Após esse período eles retornaram para o Brasil aonde cooperaram com o nosso pastor presidente Ailton José Alves na Área 32 – Jordão, bairro do Recife, e na igreja filial em Petrolândia. Porém, após os casamentos dos filhos, o Senhor os chamou mais uma vez ao campo de missões e obedecendo a orientação do pastor da Igreja e da Convenção de ministros, estão novamente nesta província, desde 2015 dando continuidade a obra de Deus.

 

GUINÉ BISSAU

Ao longo de cem anos de história e 37 anos de missões transculturais, a IEADPE alcançou durante a sua trajetória mais uma nação em solo africano. Desta feita no norte da África, onde os missionários reconhecem existir uma urgência para a atuação da igreja hodierna, a Janela 10/40. No “Cinturão de Resistência ao Evangelho”, se encontra a República de Guiné Bissau, que é uma pequena nação localizada na região da África Ocidental e é caracterizada por ter parte do seu território no continente e outra parte num contingente de 80 ilhas. Para essa região, o pastor Presidente Ailton José Alves enviou no ano de 2002, o missionário Nelson da Costa, a sua esposa, missionária Mísia e filhos.

Após dois anos de casados, pois a missionária Mísia Carvalho casou-se em Recife, no ano de 1998 com o missionário Nelson da Costa. O pastor presidente Ailton José Alves os enviou, como missionários da IEADPE, para o campo de missões em Moçambique. Naquela nação eles trabalharam arduamente para o crescimento daquela igreja, contribuindo com os missionários que já atuavam ali. Nesse período a missionária teve a sua primeira filha. As condições hospitalar em Moçambique eram muito precárias, por isso a missionária teve sua filha no Zimbabué, nação vizinha de Moçambique. Após o fim da guerra civil em Guiné Bissau, a CONADEPE, na pessoa do pastor presidente Ailton José Alves, remanejou o casal de missionários com a sua filha de Moçambique para desenvolver o trabalho em Guiné Bissau. Assim, pelo fato de ser o missionário Nelson da Costa guineense, da tribo Bijagô, isso ajudou muito em favor da implantação da Igreja naquela nação. Pois além do conhecimento linguístico e cultural, a sua vivência com o povo facilitou o acesso ao local que Deus já havia previamente orientado para a evangelização.  

A ilha Uracane em Guiné Bissau foi onde o trabalho missionário teve o seu início. Essa pequena ilha possui apenas seis aldeias. Quando os missionários ali chegaram não havia presença influente de nenhuma religião, a não ser às práticas de feitiçaria e de crendices africanas que eram bastante evidentes em toda a ilha. Porém, após o árduo labor empenhado pelos missionários em favor daquelas vidas, três aldeias, a saber: Porto, Ankadjo e Eguba, já contam com a presença da nossa igreja, possuindo templos próprios e obreiros que cuidam do trabalho. As outras três aldeias restantes: Ankumbo, Ankopate e Bruce, já possuem crentes que foram evangelizados e em breve templos serão instalados nesses locais para a adoração do Senhor Jesus Cristo. Após o estabelecimento do trabalho missionário na ilha Uracane, foi dado início do trabalho em Bissau, capital do país, como um a forma de alargar as tendas, além da ilha.  Esse trabalho iniciou com reuniões na residência dos missionários e com os crentes advindos da ilha Uracane. Nesse período em Guiné nasceu o segundo filho do casal de missionários, dessa feita eles foram ao Senegal devido a mesma precariedade hospitalar existem em Guiné Bissau. Devido a precariedade educacional enfrentada em Guiné Bissau, sob a aprovação divina e orientação pastoral do nosso amado Pastor Presidente Ailton José Alves, no ano de 2007, a igreja missionária em Guiné Bissau inaugurou a Escola Evangélica Maranata que oferece aulas do 1º e 2º Graus do ensino  fundamental.

A Obra Missionária em Guiné Bissau também contou com a cooperação do Missionário Misael Mota, a esposa, Missionária Ilza Mota e filhos que estiveram ali por quase 03 anos. No final do ano de 2014 a Aldeia de Cassalote que fica a 50 km da capital, recebeu o trabalho de nossa Igreja. Hoje a igreja conta com 05 congregações, sendo 03 congregações na ilha e 02 no continente.

Este artigo é de propriedade intelectual da Igreja Evangélica Assembléia de Deus em Pernambuco (IEADPE). Sua reprodução, parcial ou total deverá ser acompanhada da citação da fonte, conforme artigo 184 do Código Penal – Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais que diz: A violação por qualquer meio, de obra intelectual, no todo ou em parte, para fins de comércio, sem a autorização expressa do autor ou de quem o represente é crime contra a propriedade intelectual.

Is Jeremy Maclin choosing the Baltimore Ravens a big blow to the Buffalo Bills heading into 2017?

Rarely does a player with the talent level of Jeremy Maclin hit the open market as late as June. However on June 2 the Kansas City Chiefs released Jeremy Maclin to ease their cap hit. Once Maclin was released, the Buffalo Bills were immediately interested.Joe Flacco Jersey

They appeared to be a perfect match as head coach Sean McDermott and Maclin are familiar with each other. They had spent time together in Philadelphia. Additionally Bills running back LeSean McCoy and Maclin are good friends. McCoy took it upon himself to try and recruit Maclin to Buffalo.

Ultimately,Justin Tucker Jersey Maclin decided to pass on signing with the Bills, and chose to sign a two-year deal with the Baltimore Ravens. It appears, on the surface, to be a blow to the Bills offense. Maclin would have provided another weapon for Tyrod Taylor and to take some pressure of the Bills run game. However, one could argue that Maclin passing on the Bills is a blessing in disguise, especially when you look at the contract he signed.

The Ravens drastically overpaid for Maclin with a deal worth $11 million over two years.Dennis Pitta Jersey He’s coming off a very disappointing season with the Chiefs, in which he started in only 12 games due to a groin injury. His numbers were weak with 44 catches equaling 534 yards and two touchdowns.

Some of Maclin’s drop off can be attributed to injury. Groin injuries are notoriously difficult to recover from for wide receivers due to constant cuts and quick strides that wide receivers need to execute.C.J. Mosley Jersey However, when you look deeper at Maclin’s stats from last year, there are some numbers that pop out.

Maclin failed to make more than six catches in a game all season, and reached the six-catch plateau only twice.Elvis Dumervil Jersey Furthermore, Maclin had an 82-yard receiving game only once (Week 15). It’s also worth noting that this happened as the Chiefs were weak at wide receiver. When the Chiefs recruited him in 2015, Maclin was supposed to be the go-to guy for quarterback Alex Smith. Unfortunately, he finished third in receiving yards on the team behind a rookie wide receiver Tyreek Hill and tight end Travis Kelce last season.