Texto: (Ef 4.17-24)

INTRODUÇÃO

Neste segundo trimestre de 2017 estudaremos sobre: “O Caráter do Cristão – Moldado pela Palavra de Deus e provado como o ouro”. Nesta primeira lição traremos algumas definições de caráter; falaremos da natureza do caráter do homem antes e depois do pecado, e de como ele pode ser restaurado mediante a operação do Espírito Santo; trataremos ainda de quais os instrumentos que Deus usa para moldar o homem já regenerado; e, finalizaremos destacando três figuras que mostram como Deus pode modificar aqueles que se submetem a Ele. 

I – DEFINIÇÕES

1.1 Caráter. Esta palavra é definida pelo Aurélio (2004, p. 402) como sendo “o conjunto dos traços particulares, o modo de ser de cada indivíduo, ou de um grupo”. Champlin (2004, p. 648 – acréscimo nosso) diz que “alguns estudiosos supõem que o caráter e as características da personalidade são frutos do desenvolvimento, com base na experiência de cada um, condicionadas pelo meio ambiente do lar; da comunidade; da escola; do trabalho, da religião e sua prática; da comunicação em massa”. 

1.2 Caráter cristão. Esse tipo de caráter é implantado no crente por ocasião da regeneração. Este termo se origina da expressão grega “paliggenesia”, que significa: “novo nascimento, renovação, recriação” (Jo 3.5; 2 Co 5.17; Tt 3.5). É por meio do novo nascimento que a imagem de Deus é restaurada no homem, o Espírito Santo passa a residir nele, produzindo as virtudes de Cristo, a medida que este se deixa conduzir pelo Espírito (Gl 5.22). 

II -  A NATUREZA DO CARÁTER DO HOMEM

A criação de todas as coisas chegou a seu ápice quando, no sexto dia, o Senhor criou o primeiro homem, o qual, juntamente com sua esposa, teria domínio sobre a Terra e suas criaturas (Gn 1.26,27). Antes de registrar a criação do homem, o escritor inspirado nos leva de volta, por assim dizer, ao conselho de Deus, pondo-nos em conhecimento do decreto divino com as palavras: “Façamos o homem [...]” (Gn 1.26). Portanto, a criação do homem segundo as Escrituras adveio de um ato imediato de Deus. Quanto aos animais o relato bíblico nos informa que Deus os fez conforme a sua espécie, já quanto ao homem, o Criador o fez distinto das demais criaturas, o fez a “sua imagem e semelhança” (Gn 1.26,27). Abaixo destacaremos a natureza do caráter do homem em três fases:

2.1 Antes da Queda. De acordo com o livro de Gênesis, Adão e Eva foram criados em total inocência. Não havia nenhum tipo de malícia na sua natureza ou no ambiente onde eles foram inseridos. Eles “não se envergonhavam” (Gn 2.25), e ainda não conheciam o “bem e o mal” (Gn 3.5). Salomão diz que “Deus fez o homem reto” (Ec 7.29). Segundo Geisler (2010, p. 12), a palavra hebraica para designar “reto” é “yashar”, e significa “retidão” “honestidade” ou “integridade”. O homem era perfeito em santidade, retidão e justiça, e essas qualidades eram reflexo dos atributos morais e imanentes de Deus no homem (Lv 20.7; Ef 4.24; 1 Jo 2.29). Cabral (2008, p. 306) acrescenta dizendo: “o homem, como imagem de Deus, foi dotado de atributo moral, isto é, de justiça original. Porém, essa justiça não era imutável; havia a possibilidade de pecado. Ele foi dotado de livre-arbítrio”.

2.2 Depois da Queda. Após a Queda, a natureza moral do homem foi corrompida pelo pecado (Rm 1.18-32; 3.23), e o homem que era santo e perfeito, tornou-se pecador e imperfeito (Gn 6.3,5; Rm 3.9-23; Gl 5.19-22). Portanto, “a imagem de Deus foi obscurecida, mas não completamente erradicada pela Queda; ela foi corrompida (afetada), mas não eliminada (aniquilada)” (GEISLER, 2010, p. 109). A respeito do pecado é importante destacar duas verdades, a saber: (a) não foi a mulher a culpada pelo pecado de Adão, nem Deus, nem o diabo (Gn 3.12,13). O homem é um ser livre, por isso é responsável pelos seus atos, logo, Adão pecou por sua livre-vontade (Os 6.7; Rm 5.12; Tg 1.13). É bom destacar também que o pecado de Adão não apenas o afetou, mas estendeu-se a toda a raça humana, é o que chamamos de “culpa herdada ou imputada” (Rm 5.12). Sendo assim, toda a raça humana passou a ser pecadora por natureza a partir de Adão. Aos olhos de Deus, o pecado de Adão foi o pecado de todos os seus descendentes, de modo que nós já nascemos pecadores (Rm 3.23; 7.23; Ef 2.1-2; Mt 15.18-19; Hb 6.1; 9.14).

2.3 A partir do novo nascimento. A partir da obra de Cristo na cruz do Calvário, mediante a ministração do Espírito Santo, é que o homem poderá ser revestido de uma “nova natureza”, criada segundo Deus, “em justiça e retidão procedentes da verdade” (Ef 4.24; 1 Co 1.30). Portanto, embora o pecado tenha desfigurado a imagem de Deus no homem, através do novo nascimento que é uma mudança interior (Tt 3.5), o homem recebe a natureza divina (2 Pe 1.4), e por meio da santificação que é um processo, este mesmo homem é transformado paulatinamente (1 Ts 5.23; I Pe 1.15,16).

III – O QUE DEUS UTILIZA PARA FORMAR O CARÁTER DOS SEUS SERVOS

3.1 O Espírito Santo. O Espírito de Deus ocupa-se da tarefa de nossa transformação espiritual, desde o convencimento do pecado (Jo 16.8), a regeneração (Jo 3.5; Tt 3.5), e a santificação (2 Ts 2.13; 1 Pe 1.2). O Espírito Santo é mencionado no AT como “Espírito” (Gn 1.2; Êx 31.3; 104.30; Is 44.3; 37.14). Já no NT, onde se dá especificamente a dispensação do Espírito, Ele é mais citado como “Espírito Santo”, o que destaca seu principal ministério na igreja: santificar o crente. Essa distinção de ofício do Espírito Santo no Antigo e NT é claramente percebida em 2 Corintios 3.7,8. Segundo Champlin (2004, p. 649) “o Espírito Santo trabalha no caráter básico de todos nós, porém, o nosso próprio desenvolvimento, apressa ou retarda essa atuação do Espírito”.

3.2 A Palavra. A Palavra de Deus tem a função de santificar o homem (Sl 119.9; Jo 15.3; 17.17). Paulo disse a Timóteo que “toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redargüir, para corrigir, para instruir em justiça” (2 Tm 3.16). Os símbolos da Palavra também aludem a sua capacidade de moldar o caráter humano, tais como: (a) o fogo que derrete o ferro (Jr 23.29-a); (b) o martelo que esmiúça a pedra (Jr 23.29-b); e, (c) a tesoura que poda os ramos frutíferos (Jo 15.2).

3.3 As provações. Os termos empregados na Bíblia para provação são no hebraico é “massah” e no grego “peirasmos” que significam respectivamente: “prova, provação, teste da fé”. Já o verbo correspondente, “peirazein” é traduzido por “tentação dirigida para um fim proveitoso”, em alusão as tentações com propósitos e efeitos benéficos (VINE, 2002, p.1014). A estrada da maturidade da fé é um teste constante, no qual as pressões da vida cooperam em forma de “provações” (Tg 1.2), as quais quando enfrentadas com fé e perseverança, nos tornam “maduros e completos” (Tg 1.4). Diversos personagens da Bíblia tiveram seu caráter moldado pelas situações adversas que enfrentaram, a saber: (a) Abrão amadureceu na fé através circunstâncias difíceis pelas quais foi submetido (Gn 12.1-3; 10-20; 22.1-18); (b) as aflições que José enfrentou o prepararam e o conduziram para o que Deus prometeu (Gn 45.5-8); e, (c) o deserto e a escassez de alimentos serviram para moldar a nação de Israel (Dt 8.1-3). Paulo tinha essa consciência, por isso asseverou: “E sabemos que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito”  (Rm 8.28).

IV – FIGURAS QUE DEMONSTRAM A MANEIRA COMO DEUS MOLDA O NOSSO CARÁTER

4.1 O oleiro. O oleiro é um profissional capaz de transformar um pedaço de barro informe, em peças úteis para as mais diversas funções. Em Jeremias 18.1-6, observamos Deus orientando Jeremias a ir a Casa do Oleiro para observar este trabalhando, pois queria lhe transmitir uma mensagem acerca de Judá. Deus lhe disse que assim como o oleiro refez o vaso que se quebrou em suas mãos, de igual forma, Ele poderia restaurar seu povo ou qualquer nação que arrependida reconhecesse seus pecados (Jr 18.6-a). Três lições importantes aprendemos neste texto: (a) a figura do oleiro nos mostra como Deus pode moldar o caráter de uma pessoa (Jr 18.6-a); (b) o barro ilustra a nossa fragilidade (Jr 18.6-b); e, (c) o barro necessita estar nas mãos do oleiro, completamente rendido a sua vontade; se se quebrar poderá ser refeito, se endurecer será rejeitado (Jr 18.4; 7-10).

4.2 O ourives. O ourives é aquele que trabalha em ouro e prata retirando a escória e moldando estes metais. O ourives senta-se diante do cadinho com os olhos fitos no metal fundido. Toma cuidado para que o fogo não esteja muito quente. Permanece nessa posição até que a sua imagem seja refletida na brilhante massa. Então, e somente então, sabe que a prata está pronta para ser moldada. Em Malaquias 3.3 observamos Deus utilizando-se dessa profissão para transmitir através do profeta Malaquias a mensagem de que como o ouvires purifica a prata, Deus purificaria o caráter dos filhos de Levi. O apóstolo Pedro também diz aos cristãos que a fé é provada pelo sofrimento, como o ouro é provado pelo fogo (1 Pe 1.7).

4.3 O agricultor. Em João 15, Jesus ilustra como o Pai trata os ramos que estão ligados na videira que é Cristo. Além de cortar os ramos que não dão frutos, é responsabilidade do agricultor limpar os ramos que dão fruto “e limpa toda aquela que dá fruto” (Jo 15.2-b). Esse ato é chamado de poda, e que pode ser comparado com o processo da santificação progressiva, onde Deus retira dia a dia da nossa vida, algumas coisas que não se coadunam com a conduta de um cristão verdadeiro. E isto, é claro exige a nossa participação (Lv 20.27; I Pe 1.15-16; 2 Tm 2.21; Hb 12.14; Ap 22.11). A palavra é como a tesoura do agricultor que remove áreas infrutíferas da nossa vida (Hb 4.12; Ef 6.17).

CONCLUSÃO

Depois de alcançados pelo evangelho do Senhor Jesus Cristo, fomos regenerados, e a imagem de Deus em nós foi restaurada, isto foi um ato instantâneo. Todavia, a santificação é um processo, no qual Deus como um oleiro, ourives e agricultor nos aperfeiçoa dia a dia, a fim de aperfeiçoar e moldar o nosso caráter, a fim de que pareçamos com Cristo Jesus. Nossa participação consiste em nos rendermos completamente à Sua vontade.

REFERÊNCIAS

CHAMPLIN, R. N. Dicionário de Bíblia, Teologia e Filosofia. HAGNOS.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. POSITIVO.

GEISLER, Norman. Teologia Sistemática. CPAD.

GILBERTO, Antonio, et al. Teologia Sistemática Pentecostal. CPAD.

STAMPS, Donald C. Bíblia de Estudo Pentecostal.  CPAD.

Este artigo é de propriedade intelectual da Igreja Evangélica Assembléia de Deus em Pernambuco (IEADPE). Sua reprodução, parcial ou total deverá ser acompanhada da citação da fonte, conforme artigo 184 do Código Penal – Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais que diz: A violação por qualquer meio, de obra intelectual, no todo ou em parte, para fins de comércio, sem a autorização expressa do autor ou de quem o represente é crime contra a propriedade intelectual.

Is Jeremy Maclin choosing the Baltimore Ravens a big blow to the Buffalo Bills heading into 2017?

Rarely does a player with the talent level of Jeremy Maclin hit the open market as late as June. However on June 2 the Kansas City Chiefs released Jeremy Maclin to ease their cap hit. Once Maclin was released, the Buffalo Bills were immediately interested.Joe Flacco Jersey

They appeared to be a perfect match as head coach Sean McDermott and Maclin are familiar with each other. They had spent time together in Philadelphia. Additionally Bills running back LeSean McCoy and Maclin are good friends. McCoy took it upon himself to try and recruit Maclin to Buffalo.

Ultimately,Justin Tucker Jersey Maclin decided to pass on signing with the Bills, and chose to sign a two-year deal with the Baltimore Ravens. It appears, on the surface, to be a blow to the Bills offense. Maclin would have provided another weapon for Tyrod Taylor and to take some pressure of the Bills run game. However, one could argue that Maclin passing on the Bills is a blessing in disguise, especially when you look at the contract he signed.

The Ravens drastically overpaid for Maclin with a deal worth $11 million over two years.Dennis Pitta Jersey He’s coming off a very disappointing season with the Chiefs, in which he started in only 12 games due to a groin injury. His numbers were weak with 44 catches equaling 534 yards and two touchdowns.

Some of Maclin’s drop off can be attributed to injury. Groin injuries are notoriously difficult to recover from for wide receivers due to constant cuts and quick strides that wide receivers need to execute.C.J. Mosley Jersey However, when you look deeper at Maclin’s stats from last year, there are some numbers that pop out.

Maclin failed to make more than six catches in a game all season, and reached the six-catch plateau only twice.Elvis Dumervil Jersey Furthermore, Maclin had an 82-yard receiving game only once (Week 15). It’s also worth noting that this happened as the Chiefs were weak at wide receiver. When the Chiefs recruited him in 2015, Maclin was supposed to be the go-to guy for quarterback Alex Smith. Unfortunately, he finished third in receiving yards on the team behind a rookie wide receiver Tyreek Hill and tight end Travis Kelce last season.