Onde o verdadeiro é substituído pelo fantasioso e a integridade serve tão somente de marketing para a prática da injustiça?

Que mundo é esse, onde o trivial e o irrelevante assumem posição de destaque em detrimento de coisas fundamentais e realmente construtivas? Onde a amálgama da incoerência forma uma argamassa movediça que sorve os que insistem em agir decentemente?

Que mundo é esse, em que a incongruência é a mestra dos feitores e a contradição a fiel escudeira dos que detém o poder de mando? Onde tão pouco se faz como o muito que se tem, sobejando sempre mais, para os já remediados?

Que mundo é esse, onde um progenitor desprovido de qualquer sentimento brioso, atenta contra sua prole sem o menor ressentimento, ignorando completamente o ligame paterno? Onde a sobrevivência depende unicamente da capacidade de se sobrepor a condição de infeliz, mesmo que isso faça milhões de infelizes? Onde a ordem do dia é – os fins justificam os meios?

Que mundo é esse, onde até a fé virou mercadoria negociada a peso de ouro entre os crédulos já extenuados dos embates cruéis na guerra pela sobrevivência? Onde muitos púlpitos viraram pregões do próspero negócio da crendice interesseira, onde as pessoas são ensinadas a barganharem com a divindade, fazendo o investimento certo, para somente assim, arrematarem a restituição tão alardeada?

Que mundo é esse, onde se desconhece até a distinção de gênero, invertendo-se os papeis e criando um verdadeiro pandemônio para a estrutura original da milenar instituição chamada família? Onde já se tem dificuldade para a utilização de pronomes pessoais, pois é abstruso saber se o ser é ele ou ela?

Que mundo é esse, onde o entretenimento virou treinamento de guerra, onde se aprende com os afamados games a se cometer toda sorte de barbaridades, tornando o infante insensível ao sofrimento alheio? Onde a criança perde muito cedo a inocência pueril por ser vítima de um sistema baseado no hedonismo?

Que mundo é esse, onde se degrada a natureza sob o pretexto de modernização, onde se destrói ecossistemas com ocupação predatória sob a falsa bandeira do progresso? Onde a fauna e a flora são vítimas da bestialidade humana, que, embora tenha um cérebro pensante, ao que tudo indica, só consegue pensar em destruição?

Este mundo não é outro se não o mundo que foi criado por Deus, que o dotou de todas as condições necessárias para existir sempre, na condição de excelência. Mas, por causa da presença do pecado, tem sido uma verdadeira desordem.

Entretanto, esperamos o dia da redenção de todas as coisas. O dia em que o Criador, o Senhor do universo, virá para ordenar aquilo que está fora de ordem. E assim, cremos que finalmente o caos será solucionado e todas as coisas restauradas. Então virá o novo céu e a nova terra, quando o projeto original de Deus para a sua criação, seguirá o seu curso e os filhos de Deus por fim viverão eternamente felizes.

Pr. Isaac Silva

Departamento da Família - IEADPE


IEADPE - Outros artigos

Is Jeremy Maclin choosing the Baltimore Ravens a big blow to the Buffalo Bills heading into 2017?

Rarely does a player with the talent level of Jeremy Maclin hit the open market as late as June. However on June 2 the Kansas City Chiefs released Jeremy Maclin to ease their cap hit. Once Maclin was released, the Buffalo Bills were immediately interested.Joe Flacco Jersey

They appeared to be a perfect match as head coach Sean McDermott and Maclin are familiar with each other. They had spent time together in Philadelphia. Additionally Bills running back LeSean McCoy and Maclin are good friends. McCoy took it upon himself to try and recruit Maclin to Buffalo.

Ultimately,Justin Tucker Jersey Maclin decided to pass on signing with the Bills, and chose to sign a two-year deal with the Baltimore Ravens. It appears, on the surface, to be a blow to the Bills offense. Maclin would have provided another weapon for Tyrod Taylor and to take some pressure of the Bills run game. However, one could argue that Maclin passing on the Bills is a blessing in disguise, especially when you look at the contract he signed.

The Ravens drastically overpaid for Maclin with a deal worth $11 million over two years.Dennis Pitta Jersey He’s coming off a very disappointing season with the Chiefs, in which he started in only 12 games due to a groin injury. His numbers were weak with 44 catches equaling 534 yards and two touchdowns.

Some of Maclin’s drop off can be attributed to injury. Groin injuries are notoriously difficult to recover from for wide receivers due to constant cuts and quick strides that wide receivers need to execute.C.J. Mosley Jersey However, when you look deeper at Maclin’s stats from last year, there are some numbers that pop out.

Maclin failed to make more than six catches in a game all season, and reached the six-catch plateau only twice.Elvis Dumervil Jersey Furthermore, Maclin had an 82-yard receiving game only once (Week 15). It’s also worth noting that this happened as the Chiefs were weak at wide receiver. When the Chiefs recruited him in 2015, Maclin was supposed to be the go-to guy for quarterback Alex Smith. Unfortunately, he finished third in receiving yards on the team behind a rookie wide receiver Tyreek Hill and tight end Travis Kelce last season.