Texto bíblico: Pv. 31. 30,31

Pós-modernismo é o termo dado ao período que teve início a partir do ano de 1950, onde por convenção encerra a era do modernismo (1900-1950), abrindo as portas para a pós-modernidade, esta, surge com mudanças em vários seguimentos, como: nas ciências, nas artes, etc. É também conhecido como a era da cibernética, da informática. Essas mudanças tomam proporções com a arte Pop nos anos 60, e é fortalecida ao alcançar a filosofia, por volta dos anos 70. Não obstante serem mudanças consideráveis por trazer um grande avanço tecnológico, tem atingido negativamente a família, pois não são apenas mudanças como: avanço tecnológico, científico, cultural ou filosófico, mas, perdas e inversão de valores morais, éticos e espirituais, contribuindo fortemente com o enfraquecimento da célula basal da sociedade.

I – A MULHER E AS MUDANÇAS DE UMA SOCIEDADE PÓS MODERNA

Desde sua formação, o Senhor Deus, estabelece atribuições a serem desenvolvidas pela mulher, tarefas tão nobres como, ser adjutora com o homem no projeto divino, objetivando preservar, cuidar e fazer crescer, prosperar a obra-prima de Deus (Gn. 1. 26-28; 2. 8,18). É obvio que o pecado é o principal agente responsável pelas mudanças que buscam tirar o foco deste célico empreendimento, mas, foi usando recursos como o Pós-modernismo que vem levando mulheres a desviarem de sua posição. Esta Era traz em seu bojo, movimentos que influenciam negativamente a conduta da mulher. Um desses movimentos tem como meta influenciar através das áreas sociais, filosófica e políticas, a ideia de direitos equânimes (iguais) e uma vivência humana por meio do empoderamento feminino e da libertação de padrões que segundo o referido movimento, são opressores, baseados em normas de gênero. Advogam, portanto, a igualdade entre homens e mulheres, além de envolver a campanha pelos direitos das mulheres e seus interesses. Numa entrevista concedida a Betty Friedan, a feminista francesa Simone de Beauvoir afirmou em 1976 que “mulher alguma deveria ter autorização para ficar em casa e criar filhos... porque se tal opção existir, demasiadas mulheres optarão”.

a) – Quais os Prejuízos que esses Movimentos podem trazer a Família?

O movimento que supostamente defende direitos iguais entre homens e mulheres é atrevidamente favorável à pornografia, ao sexo livre, à cultura do “ficar”. Os lemas levantados e defendidos pelo referido movimento são:

Vamos celebrar a pornografia, somos sobreviventes e não vítimas;

 - A mulher é senhora absoluta de seu corpo;

 - Explore suas opções sexuais;

 - Divulgue suas aventuras amorosas,

 - Falem o que der na cabeça;

 - A família deve ser um vínculo emocional e não um vínculo biológico;

 - Casamento é coisa do passado. 

Nas passeatas do referido movimento, é visível em seus estandartes expressões como: “Você escolhe o tipo de mulher que você quer ser”. Nesse contexto, a mulher pode ser tudo: prostituta, garota de programa, lésbica, alcoólatra, maconheira, usuária de cocaína e outras drogas, amante, consumista, independente, enfim um mix de tudo isso. Menos ser esposa, mãe ou dona de casa.

Continua...

Este artigo é de propriedade intelectual da Igreja Evangélica Assembléia de Deus em Pernambuco (IEADPE). Sua reprodução, parcial ou total deverá ser acompanhada da citação da fonte, conforme artigo 184 do Código Penal – Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais que diz: A violação por qualquer meio, de obra intelectual, no todo ou em parte, para fins de comércio, sem a autorização expressa do autor ou de quem o represente é crime contra a propriedade intelectual.